app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política Elinaldo Barros foi professor da Escola Élio Lemos, trabalhou na Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e colaborou, durante anos, para a TV Gazeta, fazendo críticas e dando dicas de cinema aos alagoanos

CRÍTICO DE CINEMA ELINALDO BARROS MORRE AOS 74 ANOS EM MACEIÓ

Ele estava internado para tratamento de um câncer de próstata e também sofria de Mal de Parkinson

Por null | Edição do dia 24/07/2021 - Matéria atualizada em 23/07/2021 às 20h56

Morreu, na madrugada de sexta-feira (23), o crítico de cinema e professor Elinaldo Barros, aos 74 anos, em decorrência de complicações de um câncer na próstata.

Ele estava internado havia 20 dias, no Hospital Unimed, em Maceió, onde fez uma bateria de exames após sentir fortes dores.

Elinaldo conviveu com Mal de Parkinson por mais de 13 anos, problema que o debilitou bastante, segundo os familiares.

Para piorar, em dezembro do ano passado, ele foi diagnosticado com câncer na próstata e na bexiga. Desde então, vinha se tratando, mas não resistiu.

Elinaldo Barros foi professor da Escola Élio Lemos, trabalhou na Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e colaborou, durante anos, para a TV Gazeta, fazendo críticas e dando dicas de cinema aos alagoanos.

HISTÓRIA

Elinaldo Barros nasceu em 1946, no bairro da Ponta Grossa, em Maceió, e tinha na vizinhança os cinemas Lux e Ideal, setor ao qual dedicou parte de sua vida. Em 1967, foi convidado para escrever sobre cinema para o Jornal de Alagoas, onde iniciou o ofício. Também foi jurado do Festival de Cinema de Penedo, participou de sua organização a partir de 1978 e realizava coberturas do festival para jornais. Elinaldo Barros é autor de três dos poucos registros sobre o cinema em Alagoas, Panorama do Cinema Alagoano (1983), Cine Lux – Recordações de um Cinema de Bairro (1987) e Rogato – A Aventura do Sonho das Imagens em Alagoas (1994). Teve atuações na Ematur, Secretaria de Cultura do Estado, Teatro Deodoro, Museu da imagem e Som e na Secretaria de Educação do Estado, onde colaborou com Ranilson França. A partir de 1990, passou a fazer comentários sobre filmes em cartaz nos cinemas da cidade de Maceió. Em 1995, consolidou a Sessão de Arte no Maceió Shopping (antigo Iguatemi). As informações são do Alagoar.

Mais matérias
desta edição