app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Opinião

BAIXA COBERTURA

.

Por Editorial | Edição do dia 26/01/2022 - Matéria atualizada em 25/01/2022 às 22h28

Iniciada na semana passada, a vacinação contra a Covid para crianças de 5 a 11 anos tem registrado baixa adesão em todo o País, inclusive Alagoas. O fato tem preocupado as autoridades de saúde, que reforçam a segurança e a eficácia dos imunizantes. A vacinação é considerada indispensável para o controle da pandemia do novo coronavírus.

A queda da cobertura vacinal no Brasil é um problema que vem sem detectado nos últimos anos, principalmente a partir de 2015. Antes, o País registrava uma das mais altas coberturas, que chegava até 90% e hoje está em torno de 60%. Criado em 1973, o Plano Nacional de Imunizações é considerado uma das políticas públicas de saúde mais bem-sucedidas do mundo e foi responsável por erradicar doenças como a poliomielite. Entre 2015 e 2020, porém, a taxa de vacinação caiu e assistiu-se à volta do sarampo, em 2018, doença que já havia desaparecido do País. Outras doenças que estavam controladas também reapareceram. Segundo o Instituto para Políticas Públicas de Saúde, todas as vacinas sofreram queda de cobertura nos últimos anos. A vacinação contra a poliomielite, exemplo, caiu de 98,3% em 2015 para 75,9% em 2020. Especialistas apontam vários motivos para esse fenômeno, O primeiro é uma percepção de risco baixa em relação a certas doenças, pois o sucesso das vacinas fez com que essas doenças deixassem de preocupar. Há, porém, outras causas mais preocupantes, entre elas a desinformação e as fake news. Embora não seja tão forte como em outros países, o movimento antivacina também tem ganhado adeptos no Brasil. Não há dúvida de que a imunização é uma das principais formas de prevenir doenças. Descobertas há mais de 200 anos, após cientistas perceberem a capacidade do corpo de gerar anticorpos. Isso foi uma conquista da humanidade, graças à ciência, mas vem sendo questionado de forma muitas vezes leviana. É preciso que o poder público invista em campanhas educativas bem elaboradas e constantes para que o Brasil volte aos patamares anteriores em relação à cobertura vacinal.

Mais matérias
desta edição