app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Opinião

A IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO

.

Por Editorial | Edição do dia 02/12/2021 - Matéria atualizada em 01/12/2021 às 22h40

Comemorou-se ontem o Dia Mundial de Luta contra Aids. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde cinco anos após a descoberta do vírus e é celebrada anualmente desde 1988, como uma oportunidade de alertar toda a sociedade sobre a doença e as formas de prevenção. Segundo a OMS, cerca de 37,7 milhões de pessoas conviviam com o HIV no final de 2020, mais de dois terços delas na África. A estimativa é que cerca de 11% da população brasileira esteja contaminada com o vírus HIV e não sabe. Em Alagoas, nos últimos meses, profissionais do Hospital Helvio Auto estão identificando a chegada de pacientes graves com Aids às internações, o que pode ter se agravado após o pico da pandemia de Covid-19, uma vez que muitas pessoas procuraram os serviços básicos de saúde com sintomas facilmente confundidos com Covid-19, mas não foram corretamente diagnosticados como HIV/AIDS. Para especialistas, um dos maiores desafios atuais é fazer com que a população jovem invista em prevenção e procure tratamento precoce, para não contrair o vírus ou conviver com ele sem desenvolver a Aids – a forma mais grave da doença. Isso porque muitos jovens veem a doença como uma outra qualquer e não enxergam o impacto como o pessoal mais velho, que sofreu na década de 1980. Na época, eram comuns as mortes pela doença por falta de um tratamento eficaz. O Brasil possui um Programa de Aids que é referência mundial. Foi um dos primeiros países a proporcionar tratamento gratuito aos pacientes através do Sistema Único de Saúde. Um importante passo, junto à distribuição em massa de preservativos, para o Brasil despontar na luta contra a Aids. Com os medicamentos que são eficientes e levam os portadores a terem uma vida normal, muitas pessoas negligenciam quanto à prevenção. Mesmo com todas as campanhas de conscientização e a distribuição de preservativos masculinos e femininos por meio do SUS, a prática do sexo desprotegido ainda tem ocorrido com frequência. Ainda não existe cura para o HIV nem para a Aids, e a forma mais segura e comprovada de se tratar a doença é a terapia antirretroviral. O tratamento se baseia na inibição, por meio de medicamentos. Portanto, prevenir ainda é o melhor remédio.

Mais matérias
desta edição